Treinador da paiN falou

RMR Américas: “Brasil precisa de renovação”, diz rikz sobre escassez de títulos

Após 2-0 da paiN no RMR, o coach rikz falou confiança do time, segredos de lapidar talentos e agradeceu a Game Arena

rikz

Foto: Game Arena.

Após a vitória da paiN Gaming sobre a RED Canids Kalunga, que deu o 2-0 para os tradicionais no RMR Américas 2024, o treinador da equipe, Henrique ‘rikz’ Waku, deu entrevista exclusiva à Game Arena.

O coach começou falando sobre a confiança que a paiN está nesse RMR. Desacreditada e longe de ser favorita a uma das vagas, o time está a uma vitória de se classificar ao PGL CS2 Major Copenhagen 2024.

“Treinamos muito bem, a gente superou muitos obstáculos que tínhamos que superar, tanto individualmente quanto coletivamente. Precisávamos jogar de forma mais inteligente em algumas situações que estavam comprometendo nossos resultados. Se você for ver e pegar os últimos, a gente teve resultados muito bons, todos os classificatórios ficamos a uma partida, uma MD3 de classificar, ganhamos alguns campeonatos, tivemos um dos melhores resultados dos times brasileiros na Europa. A gente já demonstrava que tínhamos muito para mostrar, mas ainda faltavam alguns detalhes de situação, de inteligência, um pouco mais de malícia, acho que nesse tempo conseguimos trabalhar bastante isso, e aí a gente um salto muito grande.” – afirmou rikz.

Depois, rikz foi questionado sobre ser um treinador conhecido por lapidar jovens talentos. Perguntado sobre qual é o segredo de formar grandes jogadores, o coach deu detalhes do seu trabalho com as promessas que já comandou na carreira.

“Primeiro de tudo, você tem que dar confiança. Um jogador, quando está confiante, é um, e quando está sem confiança, é outro. Os melhores do mundo estão sempre muito confiantes, até quando eles estão em uma partida que não estão bem, mas puxam a responsabilidade. A confiança é em primeiro lugar. Depois, entender melhor do micro e do macro do jogo, pequenos detalhes, situações, você trabalha muito nisso. É puxar mesmo e mostrar situações, mostrar como deveria ter jogado e ir melhorando aos poucos, mas sem acabar com a confiança do jogador. Você tem que olhar para as características deles e ver quais são as melhores e quais são os defeitos que você tem que trabalhar.” – revelou.

Ainda sobre esse trabalho de lapidação de jovens jogadores, rikz afirmou que o Brasil precisa de uma renovação de jogadores e que isso é um fator determinante para o país ficar longe do topo do mundo. 

“A gente vem trabalhando muito bem. Esse é o jeito que gosto de trabalhar e vem dando certo. E, como você mencionou, somos o segundo time mais jovem do RMR. Mas, deu para ver nos resultados que estamos indo bem, mesmo com o time muito jovem. O Brasil precisa de uma renovação, precisa de jogadores jovens aparecendo. Estamos com uma falta de títulos enorme nos últimos anos e acho que é muito pelos times tentarem manter os mesmos nomes e não ter esse trabalho de lapidar jogadores que precisam ser lapidados, que tem talento, mas ainda não foram lapidados.” – avaliou.

LEIA MAIS:

Sobre as mudanças que a paiN Gaming passou desde o último RMR aqui em Monterrey, rikz deixou claro que elas partiram de diversas formas e a organização está sempre focada em vencer no Counter-Strike.

“O objetivo da paiN sempre é vencer. Se a gente fez essas mudanças, ao contrário do que muitas pessoas pensam e pensaram na época, não foi por outros times virem até nós e tirarem nossos jogadores. Foi opção do time, da comissão e de alguns jogadores. Fizemos a reformulação, sabíamos que não ia ter major no segundo semestre do ano passado e que teríamos seis meses para trabalhar e que viria um jogo novo onde a dedicação traria um resultado melhor do que só a experiência que os jogadores mais antigos têm. Decidimos trazer jogadores novos, mais dedicados e com talento, para trabalhar durante os seis meses, e agora começar a colher os frutos. E acho que a gente começou a colher.” – contou.

Perguntado sobre o que representaria para ele classificar outra lineup ao Major pela paiN de forma consecutiva, rikz disse que não pensa nisso e que está focado sempre no próximo jogo para sacramentar a vaga ao mundial.

“Eu não fico pensando muito no que vai representar se a gente passar. Estou vendo jogo a jogo. Já estou ansioso para saber quem será o próximo adversário e estudar eles. Ver o que a gente errou também. Conversar com os meninos. Não pensei muito no que vai representar. Eu sei que eu quero muito.” – detalhou.

Finalizando, o treinador campeão da Copa Game Arena agradeceu a organização do torneio e por ter recebido o troféu, contando que raramente os organizadores dos campeonatos lembram do coach na hora da premiação.

“Foi muito legal. Queria agradecer a Game Arena, eles enviaram para gente os troféus e incluíram o coach, que dificilmente mandam alguma coisa para o coach. É muito importante para gente, porque querendo ou não, estamos junto o tempo inteiro, trabalha do mesmo jeito. E é muito bom ter esse reconhecimento, o troféu tá lá em cima do meu computador. Vou fazer uma prateleirinha, vou colocar ele. Muito obrigado.” – concluiu rikz.


Assista a mais vídeos nossos. Neste aqui, entrevistamos arT após a vitória da FURIA sobre a Liquid:

A Game Arena está fazendo a cobertura presencial do RMR Américas 2024. Siga a Game Arena nas redes sociais para saber tudo sobre o campeonato: TwitterYoutubeInstagramTik TokFacebook Kwai.

COMPARTILHE

Bombando em Counter-Strike 2

1

Counter-Strike 2

IEM Chengdu: device, sobre se tornar IGL: “Me devolveu a felicidade”

2

Counter-Strike 2

CS2: GET Rio montará sala para equipes jogarem qualifier

3

Counter-Strike 2

Major Copenhagen: Stickers deram “lucro normal”, revela GM da COL

4

Counter-Strike 2

CS2: veja o mascote do Major de Xangai

5

Counter-Strike 2

CS2: final do Major foi uma das maiores audiências dos esports no trimestre