entrevista

Major Copenhagen: nqz, sobre campanha da paiN: “Saldo positivo”

Após eliminação, nqz falou sobre confronto contra NAVI, evolução brasileira, vagas para as Américas e futuro da paiN

nqz

Foto: divulgação/PGL.

 

 

Não deu para a paiN contra a NAVI e o Brasil ficou de fora dos playoffs do PGL CS2 Major Copenhagen 2024. Após o fim do sonho, mas de uma linda jornada, o awper da equipe, Lucas ‘nqz’ Soares, falou com a Game Arena.

O jogador começou falando sobre o primeiro mapa da série contra a NAVI, a Nuke, escolha da paiN. Ele afirma que o time acabou pecando do lado CT, mas credita derrota na perda do forçado.

A Nuke começamos de TR, eles estavam colocando uma pressão bem chata no começo do jogo. Pressionaram a parte mais fraca nossa do mapa, então tomamos muito para eles, até desavisado, eles fizeram um trabalho bom do lado CT. Quando virou o half, estávamos mandando bem, mas aquele forçado deles quebrou o game. Estávamos em um momento muito bom, ali foi o round decisivo do jogo.” – afirmou.

Falando mais detalhadamente sobre o forçado perdido, nqz acredita que o round foi o mais crucial do jogo e revela que a comunicação do time não saiu tão bem quanto deveria para aquele momento. 

“Percebemos que do lado CT, jogando só default, conseguiríamos ganhar deles, eles não estavam bem de TR. O problema é que, quando você joga assim, a comunicação tem que tá muito boa. Ela tava, mas nesse round não foi tão boa, deixamos a brecha no secret. Eles passaram, demoramos para rodar e deu no que deu.” – revelou.

Analisando agora o mapa da Mirage, nqz vê semelhanças com a Nuke, onde a paiN começou lenta no jogo, buscou o placar e foi ferida novamente com outro round essencial perdido.

A Mirage foi a mesma coisa. Começamos de CT e eles estavam impondo o ritmo, estávamos tomando uns fakes. Eles fizeram um bom trabalho de TR e ficamos na situação de correr atrás do prejuízo de TR. Encaixamos alguns rounds, placar ficou perto, mas teve um round chave que a gente perdeu que custou o jogo. Os dois mapas foram bem difíceis, não conseguimos impor nosso ritmo de jogo igual contra a Heroic ontem.” – disse.

Campanha do Brasil e da paiN

Falando sobre a campanha da paiN nesse Major, nqz diz que o saldo é positivo, onde a equipe chegou desacreditada e pode mostrar coisas boas.

Todo mundo estava desacreditado da gente neste Major. Dos quatro times, fomos colocados como o que chegaria menos longe, o que performaria pior. Foi uma campanha bem legal, todos estamos tristes, mas nosso saldo é positivo. Ganhamos de bons times, fizemos boas partidas, dominantes em vários jogos. Agora é pegar, rever, continuar nessa linha e não tem como dar errado. Somos um time que trabalha muito, no Brasil todo estamos trabalhando muito para minimizar esse gap que tem com a Europa.” – contou.

LEIA MAIS:

nqz
Foto: divulgação/PGL.

Falando agora de todos os times brasileiros envolvidos, nqz elogiou a trajetória das equipes do país e disse que os times mostraram que tem condições de jogar contra as melhores equipes do mundo.

O cenário mundial está tão forte quanto sempre foi. Os times europeus continuam em um nível muito bom, mas esse Major mostrou para nós e para os times brasileiros que estamos crescendo e evoluindo. E nós conseguimos, sim, formar um nível de poder bater de frente com eles. Fizemos ótimos jogos nesse Major, Imperial também fez, Legacy e FURIA também. Mais do que nunca, o CS está em um nível bom no geral, mas é importante dizer que a gente consegue chegar lá, pegar esses times e bater de frente com eles.” – avaliou.

Sobre as Américas, nqz diz que as sete vagas para o próximo Major foi uma grande conquista para a região, já que, segundo ele, cinco vagas era muito pouco para nós.

A gente saiu ganhando no quesito que conseguimos mais duas vagas para as Américas, em termos de classificação para o Major, é algo que facilita muito, porque cinco vagas é muito pouco para a quantidade de times bons que tem no RMR, sete dá um gás a mais para buscarmos essas vagas, mais times das Américas irão participar, então vamos conseguir mostrar mais nosso CS. Mesmo nesse Legends não conseguindo pegar nenhuma vaga nos playoffs, foi um saldo positivo para a região sim.” – analisou.

Próximos passos e torcida

Perguntado sobre qual seria o futuro da paiN, nqz disse que é dar sequência ao time campeão da Copa Game Arena 2023 que, com o tempo, eles irão repetir o desempenho do mundial.

Não tem segredo, é continuar o que estamos fazendo. A gente tá junto faz um pouco mais de quatro meses e estamos trabalhando duro todos os dias, extraindo o máximo dos bootcamps, porque nem sempre estamos juntos, às vezes ficamos em casa para disputar os torneios do Brasil. Temos que valorizar esses momentos e colocar em prática aquilo que a gente acredita e treina para seguir evoluindo.” – afirmou.

Concluindo a entrevista, nqz revela que não irá para torcer para nenhum time neste Major, vê a Spirit como favorita, mas diz que seria legal que a Eternal Fire fosse campeã.

Torcida em específico, eu diria que não. Esses playoffs vão ser daora para a gente assistir, temos a Spirit em uma alta bizarra. Mas, se eu fosse dizer, a Eternal Fire, pois é a primeira vez que um time com line inteira turca chega aos playoffs e eles estão jogando muito bem. Seria bacana ver um time diferente ganhando.” – finalizou nqz.


Assista aos nossos vídeos também. Neste aqui, entrevistamos jame, após eliminação da Virtus.pro:

Game Arena está cobrindo presencialmente o PGL CS2 Major Copenhagen 2024. Siga as nossas redes sociais para ficar por dentro de tudo que acontece no mundial: TwitterYoutubeInstagramTik TokFacebook Kwai.

COMPARTILHE

Bombando em Counter-Strike 2

1

Counter-Strike 2

EPL S19: Imperial é derrotada pela FaZe na estreia

2

Counter-Strike 2

EPL S19: Sharks perde para Vitality em estreia

3

Counter-Strike 2

EPL S19: mousepad de jogador da fnatic chama atenção, veja

4

Counter-Strike 2

GET Rio: a experiência da imprensa no evento

5

Counter-Strike 2

CS2: Brasil tem 4 times no Top 20 do ranking da Valve pela 1ª vez