parte 2

Major Copenhagen: felippe1, sobre Stickers: “Total diferença para conseguir se sustentar”

Participando de 3 dos últimos 4 Majors, felippe1 falou sobre importância dos Stickers e relação com Jaime Pádua, CEO da FURIA

felippe1

Foto: Game Arena.

Na segunda parte da entrevista com Felippe ‘felippe1’ Martins, o CEO da Imperial abordou alguns temas voltados para a organização. O primeiro deles, claro, a importância dos Stickers para manter o projeto saudável financeiramente.

felippe1 revela a importância da Imperial estar disputando o Major. Ele classifica que a vinda do time é bom para todos os âmbitos e isso traz mais investimentos e holofotes a organização.

Estar aqui é super importante em todos os âmbitos. Consolida a marca, vemos que o projeto está dando certo. Financeiramente, os Stickers faz total diferença para as orgs conseguirem se sustentar, continuar investindo, pois a realidade é que o CS é um jogo caro.” 

Hoje, é muito difícil sustentar o projeto só com os patrocínios, e o Sticker te dá o alívio financeiro. E não é só para se pagar, mas abrir portas, investir em mais oportunidades, melhorar os bootcamps. Estar na fase principal traz holofotes e abre portas.” – afirmou.

Perguntado se uma organização consegue se manter sem participar de Majors, felippe1 acredita que sim, mas depende de diversos fatores. Ele usa alguns exemplos, como a paiN Gaming.

Até que tem como, mas você precisa de um projeto enxuto e você não pode errar. Porque, para ter jogadores no patamar de Major, não é um custo barato. Fazer bootcamp, manter projeto. Se não participar do Major e não cumprir o orçamento, é difícil.” 

Mas temos outros casos, montar um time jovem, como a paiN. Tem um custo menor como a FURIA, é algo diferente. Mas é difícil, mesmo estando com jogadores novos, se não for para o Major, é muito prejudicial.” – disse.

LEIA MAIS

felippe1

Emoções assistindo e relação com Jaime Pádua

felippe1 já foi jogador profissional de Crossfire e Counter-Strike 2. Questionado sobre as emoções de jogar e assistir, o CEO não titubeia e afirma que, de longe, é mais difícil estar do lado de fora acompanhando o time do coração.

Com certeza estar aqui fora. É um assunto que sempre surge, e é claro que quando você está jogando, mesmo tendo o nervosismo, quando o jogo começa, a adrenalina abaixa e você está concentrado.” 

Aqui fora, não. Você sofre antes do jogo, durante o jogo fica tenso com o raio-x. É muito difícil estar aqui fora, posso falar com propriedade que assistir tem sido muito mais emocionante do que estar no jogo.” – revela.

Concluindo a entrevista, felippe1 fala sobre sua relação com Jaime Pádua, CEO da FURIA e revela que está devendo um jantar ao companheiro de profissão, que conheceu pessoalmente na festa de Neymar.

Encontrei com o Jaime no aniversário do Neymar em fevereiro e foi do nada. Fui convidado para lá de última hora, chegando lá encontrei ele, fiquei muito feliz em vê-lo e no meio da noite conversamos muito sobre coisas pessoais, organização, tivemos trocas muito boas nessas negociações do FalleN, chelo e decenty. Conseguimos construir uma relação de amizade. E combinamos que, se ambos os times classificarem para o Major, eu ia pagar um jantar. Agora, estou devendo duas.” – finalizou.


Assista aos nossos vídeos também. Neste aqui conversamos com noway após a classificação da Imperial ao Elimination Stage:

Game Arena está cobrindo presencialmente o PGL CS2 Major Copenhagen 2024. Siga as nossas redes sociais para ficar por dentro de tudo que acontece no mundial: TwitterYoutubeInstagramTik TokFacebook Kwai.

COMPARTILHE

Bombando em Counter-Strike 2

1

Counter-Strike 2

IEM Chengdu 2024: Dev1ce soca monitor após PC travar; veja o vídeo

2

Counter-Strike 2

IEM Chengdu: device, sobre se tornar IGL: “Me devolveu a felicidade”

3

Counter-Strike 2

CS2: GET Rio montará sala para equipes jogarem qualifier

4

Counter-Strike 2

Major Copenhagen: Stickers deram “lucro normal”, revela GM da COL

5

Counter-Strike 2

CS2: veja o mascote do Major de Xangai