Colunas

O que eu gostaria de ver em um Ghost of Tsushima 2

Ainda sem anúncio oficial, uma sequência de Ghost of Tsushima é um caminho provável para o PS5. No dia 17...

Ghost of Tsushima

Ainda sem anúncio oficial, uma sequência de Ghost of Tsushima é um caminho provável para o PS5.

No dia 17 de julho de 2020, chegava ao PlayStation 4 um dos jogos mais aguardados da época: Ghost of Tsushima. Os trailers que precederam o lançamento mostravam gráficos assustadoramente reais, além de um gameplay afiado e sangrento. Três anos e uma expansão depois, vamos analisar o game da Sucker Punch com a cabeça fria, e avaliar o que precisa acontecer em uma provável sequência.

Leia mais:

Para começar a conversa, Ghost of Tsushima deve ser encarado como uma experiência cultural. Tanto que alguns de seus desenvolvedores, Giroki Hitakatsu, Nate Fox e Jason Connell, receberam o título de embaixadores do turismo da ilha que inspirou o game. O trabalho da Sucker Punch é realmente de altíssimo nível, no cuidado com os detalhes, na recriação fiel de pontos importantes e da própria história do local. Este esmero é algo indispensável para a sequência, de preferência em um patamar mais alto de qualidade.

Ghost of Tsushima

Um segundo ponto importante a ser analisado em Ghost of Tsushima são os gráficos. O primeiro game é lindo, com ambientes deslumbrantes e variados. Uma nova entrada na série, feita para o PlayStation 5 e chegando no terceiro ano do console, precisará mostrar um salto em relação ao que vimos no original. Jogos como Horizon Forbidden West e God of War Ragnarok, que são belíssimos, não tiveram uma evolução tão gritante neste quesito, muito talvez por conta da necessidade de versões para a geração passada. Ghost of Tsushima 2 pode ser o primeiro exclusivo a transicionar para um mundo totalmente pensado para a geração atual, e explorar sem amarras o potencial gráfico do PS5.

Outro aspecto de suma importância é o gameplay. No primeiro Ghost of Tsushima, a jogabilidade de combate foi satisfatória e elegante, com combates de espada intensos e arrojados. No entanto, ficou um gostinho de “quero mais”, já que a variedade apresentada não era das maiores. Inimigos muito parecidos, timings de golpes previsíveis e repetitivos, e, principalmente, o curto arsenal do protagonista, tornaram a experiência até certo ponto monótona em determinado momento da aventura.

Ghost of Tsushima

Por fim, o ponto que mais me deixou frustrado no primeiro Ghost of Tsushima foram suas missões, tanto primárias quanto secundárias. Para um game com cerca de 25 a 30 horas de duração, não vi um conteúdo muito diferenciado entre missões. Eram sempre os mesmos objetivos básicos de infliltração, combate, coleta de item ou resgate de prisioneiros. Entendo a necessidade de entregar um jogo fiel à história real, mas que isto seja feito de um jeito mais criativo e variado.


Game Arena tem muito mais conteúdos como este sobre esportes eletrônicos, além de games, filmes, séries e mais. Para ficar ligado sempre que algo novo sair, nos siga em nossas redes sociais: TwitterYoutubeInstagramTik TokFacebook Kwai.

COMPARTILHE

Bombando em Colunas

1

Colunas

Tudo sobre Metroid Prime 4 Beyond: lançamento, personagens, trailers e mais

2

Colunas

Guia de CoD: as melhores classes de fuzis de precisão no Warzone (Temporada 4 Recarregada)

3

Colunas

Guia de Ultimate Team: Seleção do Torneio celebra os craques da Copa América e da Euro

4

Colunas

Review | Luigi’s Mansion 2 HD: um ótimo convite ao terceiro game

5

Colunas

Guia de Ultimate Team: nova temporada tem carta grátis de Haaland de nível 99; veja como consegui-la