CBLOL

LoL: “não tenho essa essa dimensão do quão grande o BrTT foi”, diz NinjaKiwi

Atirador foi o primeiro a vencer BrTT após retorno ao CBLOL

LoL: "não tenho essa essa dimensão do quão grande o BrTT foi", diz NinjaKiwi

Foto: reprodução/Riot Games

A comunidade brasileira de LoL (League of Legends) estava ansiosa para que BrTT voltase ao cenário competitivo. Neste sábado (01), o astro voltou para os campos de justiça de Summoners Rift após pausar de um pouco mais de dois anos longe dos stages do CBLOL (Campeonato Brasileiro de League of Legends), deixando os fãs animados para a competição. Porém, aparentemente, nem todas as pessoas conhecem a carreira campeã do jogador profissional.

O embate de estreia do pro player mais querido pela comunidade aconteceu contra a INTZ, que também é uma das equipes clássicas do competitivo em solo brasileiro, deixando muita história para se contar. Os intrépidos não tiveram uma primeira temporada em 2024 primorosa, sofrendo com derrotas consecutivas, mas garantindo alguns jogos no término da fase de grupos, em uma situação que pode ser considerada a pior fase do clube na história do LoL no país. O resultado foi negativo para a LOS de BrTT, que, por mais que tenha garantido um triple kill de Kalista, campeã de assinatura do atleta, não conseguiu sair com a vitória.

Em entrevista para a Game Arena, o atirador dos intrépidos, Yudi “NinjaKiwi” Miyashiro, que enfrentou BrTT na bot lane durante o confronto, confessou que não entende ainda a grandeza do adversário por conta de não jogar na época, mas não abriu mão de respeitar o trabalho da equipe inimiga após destruir o Nexus.

 

A diferença de eras do LoL profissional

“Acho que não [ganhar mais confiança por derrotar o BrTT. Acho que não tenho essa essa dimensão do quão grande o BrTT foi porque eu nunca tinha jogado contra ele. Mesmo jogando nestes últimos três anos, joguei com o TitaN e etc…, que foram os novos consolidados [como atiradores] e acho que o peso de ganhar dele ou dos outros é sempre muito satisfatório. Mas eu sempre tive respeito no meu adversário, seja o melhor ou o pior AD Carry e, antes de entrar no cenário, eu não acompanhava o BrTT, para ser sincero, então… eu não tenho muito essa dimensão”, confessa.

Muita gente pode até se assustar com NinjaKiwi não estar familiarizado com a história do cenário, mas a verdade, é que até faz um pouco de sentido. Yudi nasceu em 2003, e tem 20 anos. Dez anos atrás, em 2014, quando tinha apenas 10 anos de idade, BrTT já estava no cenário de League of Legends, inclusive, já tinha o título de bicampeão da modalidade. Em 2013, o astro representou a paiN Gaming e foi campeão do CBLOL quando o campeonato ainda se chamava Riot Brazilian Champion League.

Em 2014, BrTT virou tricampeão da modalidade com a Vivo Keyd Stars, quando Mylon e Loop ainda eram jogadores profissionais. Quem acompanha o cenário há alguns anos, já conhece Mylon como uma figura da IDL (Ilha das Lendas), enquanto Loop, é conhecido por ser um dos casters de transmissão do CBLOL pela Riot Games. O LoL está envelhecendo e não podemos esquecer deste fato.

Foto: reprodução/Riot Games

 

NinjaKiwi começou carreira ainda no fim de 2021, e, até atualmente (2024), representou apenas dois times no cenário: Resnga Esports e INTZ, equipe a qual defende no segundo split do CBLOL 2024. A verdade, é que o jogador profissional não tinha nem idade ainda para jogar o game quando BrTT já era aclamado por especialistas, clubes e a própria comunidade apaixonada por LoL. Conhecer a história do competitivo é importante, não é preciso necessariamente fazer parte do cenário para entender a grandiosidade de um dos maiores campeões da modalidade.

TitaN, um dos nomes que Yudi citou durante a entrevista, é três anos mais velho em idade, mas começou a competir, ainda jovem, em 2017, ao representar a KaBuM! Esports. O título vestindo a camisa dos ninjas só veio mesmo em 2018, em dose dupla, porém, antes de TitaN ser a referência para quem jogava de ADC (AD Carry) e almejava entrar no competitivo, BrTT estava lá, sendo o ‘pai’ dele. Quem acompanha o competitivo há algum tempo, sabe que TitaN, que atualmente representa a paiN Gaming, se inspirava no carioca.

 

 

“O que eu mais me inspiro no BrTT é a agressividade dele, o que ele impõe dentro do jogo, de jogar o jogo em cima dele quando ele tá forte. Eu acho que são esses fatores que eu puxo dele, que eu espero ter pelo resto da vida”, disse TitaN, em 2018. Em 2024, experiente no cenário e uma figura que inspira outros jogadores pelo Brasil, conseguimos ver que os aspectos que o pro player citou, há cerca de seis anos atrás, são algumas das coisas que o fazem ser a figura importante que é para o competitivo no país, contando com quatro títulos do CBLOL.

 

LEIA MAIS

 

A nova leva de jogadores profissionais conhecem um competitivo diferente em comparação com as pessoas que viram o cenário crescer do zero e, em passos de bebê, ir evoluindo até chegar em um nível prossionalizado. Ainda existem diversos fatores que precisam mudar, mas, aos poucos, a história vai sendo escrita, contada e lembrada para os novatos que estão chegando agora. Enquanto NinjaKiwi é um pro player novo que representa a INTZ, uma organização que marcou o LoL brasileiro, a LOS é uma equipe que está começando a marcar seu nome na modalidade, mas que adiciona uma importância gigante ao competitivo ao contratar BrTT, que já venceu o CBLOL seis vezes.


Veja também nossos vídeos. Neste aqui elencamos os seis times grandes com poucos títulos no LoL:

Siga a Game Arena nas redes sociais: TwitterYoutubeInstagramTik TokFacebook Kwai.

COMPARTILHE

Bombando em League of Legends

1

League of Legends

LoL: quem é Ambition, o primeiro abate de Faker?

2

League of Legends

LoL: “eu tô respirando isso”; BrTT abre coração para fãs

3

League of Legends

LoL: Fluxo é lider isolado após garantir um 20 a 6

4

League of Legends

LoL: LOS de BrTT acumula derrotas no CBLOL

5

League of Legends

LoL: “tem muito a melhorar”, diz dono da LOUD sobre Riot