entrevista exclusiva

CS2: nicks revela porque trocou Fortnite pelo CS: “Um sonho meu”

Novo jogador do Fluxo, nicks falou sobre adaptação, convite de tacitus e rasgou elogios ao arT

nicks

Foto: Game Arena.

A Game Arena entrevistou, de forma exclusiva, a nova dupla de jogadores da equipe de Counter-Strike 2 do Fluxo: Andrei ‘arT’ Piovezan e Nicollas ‘nicks’ Polonio. Após a matéria de arT sair, foi a vez da de nicks. 

Com o ex-pro player e campeão mundial de Fortnite, perguntamos de como foi essa mudança de jogos para algo tão distinto como o Counter-Strike. Ele conta detalhes de que ele sempre foi fã de CS, mas que o Fornite se tornou uma “porta de entrada”.

Foi difícil tomar essa decisão de vir para o CS, porque o Fortnite era um jogo que eu gostava bastante, mas eu estava saturado. Teve um dia que percebi que não dava para se dedicar 100% e decidi migrar para o CS. Trabalhei o individual por um tempo, assistindo demos, jogando pug, até pegar um nível legal. Quando eu tinha 10 anos, eu já era level 20 na GC, mas não tinha espaço no CS para mim. E eu vi o Fortnite como uma porta se abrindo para criar meu espaço e voltar para o CS.” – disse.

Depois, nicks ainda falou que, se pensasse em dinheiro, continuaria no Fortnite, mas que ele tinha o sonho de se tornar pro player de Counter-Strike: “Financeiramente, valeria a pena eu continuar no Fortnite, mas foi mais uma questão de ser um sonho meu. Eu não estava mais curtindo aquele ambiente de jogar um jogo forçadamente.

Sobre adaptação a um novo jogo, nicks contou que dedicou 100% do seu tempo ao Counter-Strike e que o período que passou pelo MIBR Academy foi importante para adquirir um espírito de jogo coletivo, coisa que não existia no Fornite.

A adaptação foi bem tranquila, vi com uma mentalidade de que iria me dedicar ao máximo, 100% do meu tempo, não pensaria em outras coisas. Fiquei 2 anos no MIBR Academy somente focado no CS, fazendo mais nada além. Quando acordava, já era CS, quando ia dormir, ainda estava no CS. Por mais que o Fortnite seja um jogo individual, no CS eu tive que aprender a jogar em equipe. É diferente as duas realidades, mas foi tranquilo.” – afirmou.

Finalizando o assunto Fornite, nicks revela que os membros do Fluxo ficam zoando ele com algumas mecânicas do Counter-Strike. 

O arT veio me perguntar como era no Fortnite, eu mandei meus highlights para ele. Sempre tem essa resenha e é muito daora, por mais que eu esteja no CS, não quero me desvincular dessa parte da minha história e da minha carreira.” – contou.

LEIA MAIS:

Chegada ao Fluxo

Fluxo nicks
Foto: divulgação/MIBR.

nicks detalhou como foi a sua chegada ao Fluxo. Ele disse que já havia recebido outras sondagens, que o convite veio de tacitus e rasgou elogios ao arT, seu novo capitão, planejando ser uma espécie de novo “KSCERATO e yuurih” dele.

Chegou para mim algumas sondagens, por parte do MIBR mesmo, do texxas que era meu coach lá. No Fluxo, o tacitus me explicou o projeto, como eu me encaixaria nele. E eu acompanhava o MIBR principal, assistindo os campeonatos, treinando contra e até jogando com o tacitus, eu já tinha uma amizade com ele. Me apresentou o projeto, disse que vinha potencial em mim e eu acabei aceitando por ser uma organização grande e por ver o que o arT fez com seus jogadores, como o KSCERATO e o yuurih. O capitão, com certeza, molda os jogadores e os fazem evoluir. Foi uma baita oportunidade em eu acrescentar o projeto e me desenvolver.” – revelou.

Sobre essa nova experiência em uma equipe principal, nicks disse que ainda está se adaptando ao estilo de jogo de arT, o que ele mesmo classificou como “diferente de qualquer IGL do mundo.”

Tá sendo uma experiência muito daora, parece que você nasceu de novo, tendo que aprender coisa nova todo dia, erros que precisa consertar. Mas também estou me adaptando ao ritmo de jogo do arT, que é diferente de qualquer outro IGL do mundo. É o tempo, vamos nos adaptando, trocando ideia, o arT vai nos conhecendo melhor e criando uma sintonia. É muito importante esse tempo, não tivemos oportunidade de treinar, está tendo que ser nos campeonatos. Vamos aprendendo a lidar um com o outro.” – detalhou.

Perguntado sobre o potencial dessa lineup atual do Fluxo, nicks elogia seus companheiros de time e afirma que a equipe precisa de tempo para assimilar as ideias para se desenvolver e criar uma sinergia.

A line tem muito potencial, todo mundo, o Lucaozy, chay, zevy e eu. Temos bastante potencial para se desenvolver e complementar nesse elenco. Só precisamos de tempo para nos adaptarmos, achar uma consistência, desenvolver nossa filosofia, pois nós estávamos com outros IGLs e o arT tem outro estilo. É um momento de adaptação, dar tempo e continuar se dedicando ao máximo.” – afirmou.

Finalizando a entrevista, nicks agradeceu o imenso carinho que recebeu da torcida do Fluxo, deixou a desconfiança de lado e afirmou que lidará bem com as críticas para buscar evoluir cada vez mais.

Queria agradecer a torcida do Fluxo. Foi uma doideira o apoio que recebi, pois para eles o Fluxo contrata um jovem que é de um time academy para um projeto, eles devem ter ficado assustados. Mas fiquei muito feliz com o apoio, fiz alguns bons jogos, outros abaixo, tive apoio e críticas. Isso é normal, temos que ser criticados para não estagnar e achar que estamos bons. É importante os dois lados da moeda e eu só tenho que agradecer a torcida.” – concluiu.


Assista também nossos vídeos. Neste aqui relembramos uma das maiores patetadas que o cenário de Counter-Strike já viu, estrelada por summit1g:

Siga a Game Arena nas redes sociais: TwitterYoutubeInstagramTik TokFacebook Kwai.

COMPARTILHE

Bombando em Counter-Strike 2

1

Counter-Strike 2

Última operação e grande atualização do CS foi lançada em uma sexta-feira

2

Counter-Strike 2

CS2: Fluxo é último convidado para seletiva de LAN no Rio

3

Counter-Strike 2

CS2: FalleN e o tiro mais aleatório e impossível da carreira

4

Counter-Strike 2

CS2: Entropiq move time para o banco e culpa mudanças da Valve

5

Counter-Strike 2

CS2: jogadores reportam problema após “atualização de aniversário”