luto!

CS2: cenário lamenta morte do criador de Dragon Ball

Autor de Dragon Ball, Akira Toriyama também tinha fãs no mundo do Counter-Strike

CS2: cenário lamenta morte do criador de Dragon Ball

Foto: Reprodução/Redes Sociais

A sexta-feira (8) começou triste com a notícia da morte de Akira Toriyama, criador do aclamado Dragon Ball. A comunidade do Counter-Strike, conhecida pelo envolvimento com mangás e animes, repercutiu a morte do autor, que faleceu aos 68 anos.

LEIA MAIS

Um dos maiores fãs de Dragon Ball do cenário, o apresentador e entrevistador James Banks definiu Akira como “gênio”. Banks é visto frequentemente nos bastidores com camisas e peças de roupa que fazem referência ao anime.

“Akira Toriyama era um gênio. Ele criou a maior série de anime de todos os tempos, começando em 1986 com Dragon Ball. Hoje, sou um grande fã de tudo o que a série tem a oferecer. Tenho até o Vegeta tatuado na perna. Aos 68 anos ele ainda trabalhava naquilo que amava e que admiro, disse Banks.

Ícone do Counter-Strike brasileiro, Epitácio “TACO” de Melo também lamentou a morte de Akira Toriyama. Ele relembrou um vídeo onde aparece com a SK Gaming nos bastidores cantando a música de Dragon Ball que marcou uma geração.

O multicampeão francês Kenny “kennyS” Schrub também publicou uma mensagem no Twitter. O ex-jogador afirmou que a notícia da morte do autor de Dragon Ball “é de partir o coração”, destacando-o como um “gênio da sua época.


Assista também os nossos vídeos. Neste aqui conversamos com VINI, após a classificação no RMR Américas 2024:

Siga a Game Arena nas redes sociais: TwitterYoutubeInstagramTik TokFacebook Kwai.

COMPARTILHE

Bombando em Counter-Strike 2

1

Counter-Strike 2

GET Rio: FURIA faz jogo tranquilo contra W7M e está na final

2

Counter-Strike 2

GET Rio: goddess cita confiança e avalia entrada da annaEX

3

Counter-Strike 2

GET Rio feminino: Fluxo vence MIBR e avança para final

4

Counter-Strike 2

CS2: treinador estrangeiro é ponto de divergência na FURIA; entenda

5

Counter-Strike 2

CS2: lux diz que sucesso da paiN “não é só sobre o bigu”